Pesaj este año

Pesaj este año

 

“Epidemia” y “Pandemia” son términos científicos diseñados para describir una amenaza que requiere inmediatas y radicales respuestas, capaces de evitar que otra forma de vida se infiltre en la nuestra y la destruya.

 

Si no se mira desde una perspectiva puramente científica, el término más apropiado para este tipo de intrusión es “plaga”, (así como en las “Diez plagas de Egipto”).

 

Es cierto que hoy no es sangre, ranas, piojos, moscas, pestilencia, forúnculos, granizo, langostas, oscuridad, sino un solo virus, lo que amenaza a la civilización más poderosa del mundo. No son los primogénitos los que están muriendo, sino sus padres y abuelos. Terminología científica a parte, se trata de una plaga. 

 

En las Escrituras hebreas las plagas son designadas “signos”, es decir, eventos que transmiten un mensaje; todas las plagas conllevan una demanda.

 

La miseria que cayó sobre el mayor imperio de su tiempo fue debido a que Faraón y sus “magos” no estaban prestando atención al mensaje, sino al fenómeno en sí. ¿Cómo podrían haber actuado de otra manera? No estaban preparados, habían estado demasiado ocupados levantando ejércitos y construyendo fuertes para proteger sus fronteras; mayores y más lujosas pirámides: tumbas para satisfacer sus egos.

 

Cuando las plagas llegaron, pareció ser algo repentino, inesperado. La prioridad no fue la de enfrentar la amenaza en su raíz. Solamente después de que la severidad incremental de cada nuevo nivel de plaga obligó finalmente a Faraón a arrodillarse, los egipcios no tuvieron más remedio que reconocer al mensaje. (Lamentablemente este momento fue demasiado corto. Finalmente, el no aprender de la historia llevó a que su civilización terminara archivada en museos alrededor del mundo)

 

El mensaje de entonces como el de hoy es muy similar:

 

Los seres humanos deben ser administradores del mundo, respetando, si no protegiendo, todos los entornos naturales y todos los hábitats de los animales, ciertamente no invadiendo sus territorios. 

 

Si queremos vivir largas vidas, debemos hacerlo no convirtiéndonos en turistas a tiempo completo, paseando en cruceros cada vez más grandes y lujosos, sino que meditando sobre nuestras vidas ayudando a las nuevas generaciones transmitiéndoles lo que hemos aprendido.

 

En lugar de continuar construyendo ciudades abarrotadas, erosionando las costas e ignorando toda forma de vidas que no sea la nuestra, deberíamos reconocer que compartimos el mundo con otras formas de vida. 

 

¿Es que no hemos aprendido nada de Egipto? ¿Es esa la razón por la que no leemos la Torá y si lo hacemos la interpretamos como algo que solo le puede suceder al “otro,” no a nosotros?

 

En unos días más, en su recordación anual de la salida de Egipto, los judíos se sentarán alrededor de una mesa para repasar el mensaje de este acontecimiento. La estrategia para lograr una reflexión exitosa es la de considerarnos a nosotros mismos como si cada uno de nosotros hubiera personalmente salido de Egipto “. Este año, este salto de nuestra imaginación no debería ser demasiado difícil de lograr.

 

Lo más probable es que, al no poder estar con toda nuestra familia, podamos conmemorar el Pesaj no como una reunión simplemente familiar o social, sino por la razón correcta: recordar el mensaje de que el mundo no existe para que nos adueñemos de la naturaleza sino para que lo compartamos y lo protejamos.

 

Llámeselo “Dios”, llámeselo “el mundo”, el hecho es que se nos esta advirtiendo.

 

Pesah this Year

Pesah this Year

“Epidemic,” and “Pandemic” are scientific terms designed to describe a threat that requires immediate extreme responses to forestall a life form from infiltrating and annihilating other life-forms such as ours.

When not reduced solely to a scientific perspective the appropriate term for this sort of intrusion is “plague”- as in the “Ten Plagues of Egypt.”

True, today it is not, blood, frogs, lice, flies, pestilence, boils, hail, locusts, darkness, but a single virus the one that is menacing the most powerful civilization in the world.  It is not the first born that are being killed but their parents and grandparents. Scientific terminology aside, what we are facing is a plague.

The Hebrew Scriptures refer to plagues as “signs,” events that convey a message; all plagues carry a demand.

The misery that fell upon the greatest empire of its time was that Pharaoh and his “magicians” weren’t paying attention to the message, their eyes were of the phenomena itself. How could have they done otherwise? They were unprepared, having been too busy building armies and forts to protect their borders; bigger and more luxurious pyramids: tombs to satisfy their egos.

When the plagues came it seemed so sudden, so “out-of-the-blue.” Forced to contend with the eminent threat, there was no time to deal with its deep root.

After the severity of each new level of the plague finally brought them to their knees, they had no choice but to heed to the message. Their heeding lasted just a short time and eventually they condemned their civilization to end in museums around the world.

The message then as today was pretty much the same:

Human beings are to be stewards of the world respecting, if not protecting every natural environment and every animal habitat, certainly not encroaching their territory.

If we want to live long lives we should do it not to become full-time tourists embarking every time in bigger and more luxurious cruise ships. We should meditate on what we’ve learned during our lifetime and help the new generations, if nothing else, through cautionary wisdom.

Instead of continue building crowded cities, eroding coastal lines and ignoring life other than ours we should be focused on the fact that we share the world with all forms of life.

Haven’t we learned anything from Egypt? Is that the reason why we don’t read the Torah and if we do we interpret it as something that happened to the “other” but cannot happen to us?

In a few more days Jews are going to seat around a table to ponder about this message. The strategy to do this is to see ourselves as if– each one of us had personally left the land of Egypt.”

 

This year this leap of our imagination should not be too difficult to accomplish.

 

Most probably, unable to be with our whole families we will be able to commemorate Pessah, not as a social gathering, but for the right learning reason: to remember the message that the world doesn’t exist for us to own it but to share it and protect it.

 

Call it “God,” call it “the world” the fact is that we are being warned

 

 

Pêssach este ano

Pêssach este ano

“Epidemia” e “Pandemia” são termos científicos para descrever uma ameaça que requer respostas extremas imediatas para impedir que uma forma de vida se infiltre e aniquile a nossa.

Não visto simplesmente de uma perspetiva científica, um termo apropriado para esse tipo de intrusão é “praga”, como nas “Dez pragas do Egito”.

É verdade que hoje não é sangue, sapos, piolhos, moscas, pestilência, furúnculos, granizo, gafanhotos, trevas, mas um único vírus que ameaça a civilização mais poderosa do mundo. Não são os primogênitos que estão sendo mortos, mas seus pais e avós.

As pragas são referidas nas Escrituras Hebraicas como “sinais”, isto é, eventos que transmitem uma mensagem; todas as pragas têm uma demanda.

A miséria que caiu sobre o maior império de seu tempo se deveu ao faraó e seus “mágicos” não prestarem atenção à mensagem mas ao próprio fenômeno. Como poderiam? Eles estavam tão despreparados, estavam tão ocupados construindo exércitos e fortes para proteger suas fronteiras, pirâmides maiores e mais luxuosas: túmulos para satisfazer seus egos.

Quando as pragas vieram, parecia algo repentino, inesperado. A prioridade não era enfrentar a ameaça em sua raiz. Somente depois que a severidade incremental de cada novo nível de praga finalmente forçou o Faraó a se ajoelhar, os egípcios não tiveram escolha senão reconhecer a mensagem. (Infelizmente, esse momento foi muito curto. Por fim, não aprender com a história levou a civilização deles a ficar registrada em museus ao redor do mundo)

Depois que a severidade de cada novo nível da praga finalmente os colocou de joelhos, eles não tiveram escolha a não ser prestar atenção à mensagem. (Lamentavelmente eles fizeram isso por pouco tempo e, eventualmente, sua civilização terminou em museus ao redor do mundo)

A mensagem então como hoje é muito semelhante:

Os seres humanos devem ser mordomos do mundo respeitando, se não protegendo, todo ambiente natural e todo habitat animal, certamente não invadindo seu território.

Se queremos viver uma vida longa, devemos fazê-lo não nos tornando turistas em tempo integral, navegando em cruzeiros cada vez maiores e mais luxuosos, mas meditando em nossas vidas, ajudando as novas gerações, transmitindo o que aprendemos para eles.

Em vez de continuar a construir cidades lotadas, corroendo as costas e ignorando todas as formas de vida que não a nossa, devemos reconhecer que compartilhamos o mundo com outras formas de vida.

Não aprendemos nada com o Egito? É por isso que não lemos a Torá e, se o fazemos, interpretamos como algo que que só pode acontecer com o “outro”, não conosco ?

Em mais alguns dias os judeus vão se sentar ao redor de uma mesa para refletir sobre essa mensagem. A estratégia para fazer isso é nos vermos como se cada um de nós tivesse deixado pessoalmente a terra do Egito. ” Este ano, esse salto de nossa imaginação não deve ser muito difícil de realizar.

As chances são de que, por não estarmos com toda a família, podemos comemorar a Pêssach não apenas como uma reunião familiar ou social, mas pelo motivo certo: lembrando a mensagem de que o mundo não existe para que possamos dominar a natureza. mas para que possamos compartilhá-lo e protegê-lo.

Chame de “Deus”, chame de “o mundo”, o fato é que estamos sendo avisados